É verão – entenda o que é FPS, UVA, UVB e UVC

Tem um assunto que eu falo o ano todo, mas que nesta época de verão costumo até exagerar: proteção solar.

O verão começou oficialmente no dia 21 de dezembro, às 14h28, e vai até 13h15 do dia 20 de março, pelo horário de Brasília.

A data e a hora do início e fim das estações do ano são determinadas por cálculos dos astrônomos e não dos meteorologistas. Astronomicamente o Hemisfério Sul passa pelo solstício de verão às 14h28 do dia 21 de dezembro, enquanto o Hemisfério Norte passa pelo solstício de inverno.

De acordo com a Clima Tempo, as características do verão começaram a ser sentidas no Brasil desde a virada de novembro para dezembro. Isso porque o oceano Pacífico Equatorial está em La Niña, ou seja, a temperatura está abaixo do normal, mas tecnicamente não podemos afirmar que o evento La Niña se configurou.

Bom, deixando os oceanos de lado, vamos para o ponto importante deste post e que me chamou mais atenção: “Excesso de calor deve ser destaque em fevereiro”. Eu sempre falo da importância de usar protetor solar, inclusive nos dias nublados, imaginem agora neste veraozão.

Vamos começar esclarecendo o que é FPS, UVA, UVB e UVC.

Segundo o site Mundo Educação, o FPS é o Fator de Proteção Solar e é um índice que determina o tempo de exposição aos raios solares, com a pele devidamente protegida, sem que ocorra eritema, isto é, a vermelhidão gerada pela dilatação dos vasos sanguíneos.

Imagine que o tempo de exposição ao Sol capaz de gerar eritema em um indivíduo com a pele desprotegida seja de cinco minutos. Com o uso de um protetor solar de FPS 20, esse tempo será vinte vezes maior, assim, o indivíduo poderá permanecer exposto aos raios solares por até 100 minutos sem sofrer danos.

Para calcular o FPS é bem complexo, mas para vocês ficarem sabendo, este cálculo se dá a partir da Dose Mínima de Eritema (DME), que é o tempo mínimo de exposição aos raios solares capaz de gerar vermelhidão na pele. A razão entre o DME para a pele protegida pelo DME da pele desprotegida fornece o Fator de Proteção Solar (FPS) para uma substância protetora.

IMPORTANTE: Vale ressaltar que os valores do DME para a pele desprotegida dependem do tipo de pele exposta às radiações. Assim, quanto mais escura for a pele, maior será o tempo de exposição aos raios solares sem a ocorrência de eritema.

Já o UVA, UVB e UVC são tipos de radiações ultravioletas.

Ao se expor à radiação solar, a pele será atingida por raios ultravioleta. São tipos de ondas eletromagnéticas de alta frequência. As radiações ultravioleta são divididas em três grupos, de acordo com suas características físicas e capacidade de penetração na pele humana.

UVA: Tipo de radiação ultravioleta com comprimento de onda compreendido entre 315 nm e 400 nm (1 nm = 1 x 10 – 9 m). Essa radiação atravessa totalmente a camada de Ozônio e, ao atingir a pele humana, penetra até nas camadas mais profundas.

UVB: Tipo de radiação ultravioleta com comprimento de onda compreendido entre 280 nm e 315 nm. Essa radiação é parcialmente absorvida pela camada de Ozônio e não atinge as camadas mais profundas da pele, mas pode provocar eritema.

UVC: Tipo de radiação ultravioleta com comprimento de onda compreendido entre 100 nm e 280 nm. Essa radiação é totalmente absorvida pela camada de Ozônio.

A exposição aos raios UV, sem a devida proteção, pode gerar queimaduras na pele, envelhecimento precoce, problemas na visão e câncer de pele. Em quantidades adequadas, as radiações UV trazem benefícios, como a fixação da vitamina D.

Agora que já entendemos todas as siglas, bora entender como escolher o protetor solar correto para cada tipo de pele.

A pele é dividida por fototipos de I a VI.

Os fototipos I e II são aquelas peles muito claras, que só fica vermelha e não bronzeia, e para elas o ideal são os protetores com FPS 60 ou acima.

Os fototipos III e IV se caracterizam pela pele mais morena. Nesse caso, opte pelo FPS 50 no início do verão e diminua para o FPS 30 mais para o fim da estação, quando a pele já estará mais bronzeada.

Os fototipos V e VI são aqueles de peles escuras, que não têm risco de queimadura, mas precisa ser protegida para evitar o câncer de pele com o FPS 30.


Se você prefere visualizar pelo FPS, vamos lá:

Fator 15

Não importa a cor da sua pele, os dermatologistas recomendam o uso de no mínimo um protetor com FPS 30. Esse número significa que a pele vai demorar trinta vezes mais para ficar vermelha do que se você não estivesse usando nada.


Fator 30 até 50

Esse é o fator mínimo que todo mundo deve usar. Mesmo para quem tem pele negra, mais resistente a queimaduras por conta melanina (pigmento que dá cor à pele e já funciona como uma proteção). As morenas devem aplicar e investir naqueles que têm FPS 35.

Nos dois casos, se você não toma sol há tempos, melhor ir devagar – use protetor 50 nos primeiros dias e depois diminua. E quem tem pele clara, mais sensível só que consegue ficar com uma cor dourada, deve usar sempre o 50, pois você sofre os efeitos da radiação solar com facilidade.


Fator 60 ou maior

Serve para quem tem a pele muuuito clara e fica vermelha sempre.

Agora que a gente já sabe, um pouquinho mais, sobre proteção solar, vamos investir no FPS correto e curtir ao máximo nosso verão.

Por: Adri Amaral
Fonte: http://paratudo.blog.br

Outras notícias